Fim da Era Dunga, e vem Felipão

sábado, 3 de julho de 2010

Reportagem do jornal O Globo deste sábado revela que o técnico Luiz Felipe Scolari, o Felipão, tem todo o caminho pavimentado para reassumir o comando da seleção brasileira, oito anos depois de conquistar o pentacampeonato mundial. De acordo com a matéria, Felipão é visto pelo presidente da CBF, Ricardo Teixeira, como o técnico ideal para conduzir o time brasileiro ao hexacampeonato, na Copa de 2014, no Brasil, pela sua experência e rigor na medida certa. Teixeira não quer correr riscos e, por isso, não medirá esforços para contratar o treinador, que terá o desafio de ser o primeiro a levantar dois títulos mundiais depois do italiano Vittorio Pozzo (nas Copas de 34 e 38).
O acerto entre o técnico gaúcho e o Palmeiras, firmado verbalmente há menos de um mês, não é considerado empecilho pela CBF. Está previsto que ele assine contrato com o clube no próximo dia 15, com duração até 2012. Mas amigos do técnico acreditam que, no primeiro momento, Felipão poderia até vir a acumular o time e a seleção.
A volta do treinador ao Brasil é vista, no comando da entidade, como sinal de que ele já se sente à vontade para reassumir a seleção. Em uma entrevista recente, Felipão chegou a afirmar que consideraria um privilégio encerrar a carreira como técnico no Mundial de 2014, sem se referir, especificamente, ao Brasil. Felipão disse ainda que não seria necessariamente como treinador, e que servia outra função.
No entanto, para Teixeira, será como técnico, sim. Felipão é, na visão da CBF, o meio termo entre Carlos Alberto Parreira e Dunga. Na entidade, Parreira foi muito criticado por não ter tido pulso forte na Copa de 2006. Agora, o capitão do tetra recebe críticas pelo excessivo rigor com que comandou a seleção. Além disso, o temperamento explosivo de Dunga causou constrangimentos e problemas à CBF.
Por trás do projeto Felipão, há muito mais do que a vontade de levar o Brasil a um novo título mundial. Presidente da CBF desde 1989, Ricardo Teixeira quer encerrar seu ciclo em julho de 2014 vitorioso, como tricampeão. Será sua sétima Copa, e a mais importante. Além de superar o ex-sogro e ex-presidente da Fifa João Havelange – bicampeão mundial em 1958 e 1962 -, ele fortaleceria seu cacife para um voo mais alto: a presidência da Fifa. ”Posso perder a Copa de 2010. A Copa que não posso perder é a de 2014″, costuma dizer Ricardo Teixeira.

0 comments

Postar um comentário

ESCREVA AQUI SEU COMENTÁRIO