Coreaú-Ce. Alunos pedem melhor estrutura

quarta-feira, 3 de junho de 2009

Blog do Gleison

Construída há um ano, Escola Infante Rosalina Rodrigues apresenta problemas estruturais e gera protesto de alunos.
Alunos portaram faixas e cartazes, exigindo reforma imediata e melhoria na infra-estrutura da escola.
Paredes rachadas e pisos cedendo. Essa é a realidade da Escola Infante Rosalina Rodrigues, que ontem completou um ano de funcionamento na rede municipal de ensino. Na manhã dessa terça-feira, alunos e professores fizeram manifestação contra a falta de condições de funcionamento da unidade escolar. A Secretaria Municipal de Educação (SME) descartou a suspensão das aulas, embora ainda esta semana devam ser iniciados reparos.
A escola, construída nos padrões do Ministério da Educação (MEC), foi entregue no dia 1º de junho 2008. De lá para cá, os professores e alunos foram verificando anormalidades na construção e um total de 16 notificações foram encaminhadas à Secretaria Executiva Regional VI (SER VI).
Com faixas e cartazes exigindo melhoria na infra-estrutura da escola, bem como uma reforma imediata, os alunos ficaram posicionados por mais de uma hora em frente à escola. “Na verdade, deveríamos estar fazendo uma festa, porque se comemora um ano da entrega do equipamento. No entanto, não podemos festejar quando alunos e professores estão com sua integridade física ameaçada, diante da precariedade das estruturas”, disse a professora Elsa Pessoa, presidente do Conselho Escolar.
A precariedade é visível no chão de duas salas de aula interditadas, onde o piso cedeu. Situação semelhante acontece no piso do vestiário masculino. No prédio anexo, rachaduras extensas comprometem a quadra coberta de esportes. O equipamento nunca chegou a ser concluído e é lugar evitado pelos alunos. De acordo com a estudante Ana Célia da Silva, 32 anos, a situação do prédio é mais um descaso com aquela comunidade. “O conjunto não foi concluído. A escola tem energia elétrica e água encanada assim como todos os moradores da Rosalina. Ou seja, através de gambiarras”, disse.
A SME informou, ontem, que a empresa responsável pela construção da escola abandonou a obra pela metade, prejudicando os alunos e o direito à educação. A Secretaria comunicou ainda que foi concluído ontem o levantamento dos serviços que devem ser feitos na unidade. Ainda esta semana, a empresa de manutenção da SME dará início aos serviços de reparos necessários.
Na escola, estão matriculados 687 alunos, nos turnos da manhã, tarde e noite, compreendendo o Ensino Infantil e o Ensino Fundamental até a 4ª série, o Ensino de Jovens e Adultos (EJA) e o Projovem.
Fonte: Sindicato dos Professores de Coreaú

4 comentários

lucia disse...

adorei esse blogger fiqei muito triste em saber sobre o asidente de frecheirinha pois so de la mas hoje moro no rj.sou frecheirinhece com muita hora.vc fez um otimo trabalho bjs.

10 de junho de 2009 12:36
Anônimo disse...

o problema é que aí ninguém quer mudança nem melhoras. querem é dinheiro e se vender pro chico da bomba e pro manel gonçalo sempre assim ubaúna nunca vai ser livre

11 de junho de 2009 19:18
Anônimo disse...

... o povo tem o que merece!!!!!

24 de junho de 2009 11:18
Anônimo disse...

as pessoas devem pensar em quem irao votar,pois ubauna nunca ira progredirse continuarem votando porqualquer merreca.O voto faz a diferenca quando temos escolha .afinal de contas em ubauna nao tem escolha e semple as mesmas pocaria de todos os anos(manoel goncalo e etc;)assina lucilene.

18 de julho de 2011 17:55

Postar um comentário

ESCREVA AQUI SEU COMENTÁRIO